segunda-feira, 22 de junho de 2015

Crônica -



Vestido florido e cabelo liso, festa numa casa distante,  pessoas desconhecidas mas ainda assim agradáveis.  Garotas legais e garotos fofos, conversas de verdade. Poxa como é bom. Estou no sofá da casa e converso com um garoto chamado Pedro mas por algum motivo não consigo distinguir bem seu rosto, ele me fala do meu melhor amigo.  O igor. O que estou falando? Não lembro pois vi esse mesmo garoto chegando e me chamando. Eu fui. Do lado de fora da casa no campo não tem ninguém e o sol está se pondo, o vento sopra em meu rosto todas as possibilidades que um dia poderia ter vivido e eu sento-me numa pedra não tão alta esperando que ele faça o mesmo. Mas ele olha, se aproxima, mas ao contrário do que eu pensei me puxa de volta.
- Quero conversar com você Dri.
-Estou aqui não estou?

Ele me da um sorriso fofo e vejo como ele é lindo, Deus me perdoe por esses pensamentos.  Reparo nos musculos fortes dos seus braços e o caimento dos seus cabelos castanhos bem cortados. Ele começa falando de como eu mudei, bom, não achava que fosse tanto mas eu não era mais aquela desengonçada,  da nossa amizade e me dá um abraço... diferente. Mas não parou por aí,  ele começou a falar sobre mim, sobre ele, sobre coisas estranhas, sobre nós.  Perco a respiração.



- Não igor. Você ta confundindo as coisas, eu tenho namorado lembra? .
 -Mas você não o ama.
- Claro que amo! Você não tem o direito de falar isso. -Dri, eu vejo, eu sinto que você gosta de mim.  
- ele se aproxima-  você não é como nenhuma outra garota e sinto que eu também tenho esse significado. Você só está com medo. Medo de perde-lo. Ele é ou foi seu amor, sei la. Eu entendo. Mas isso não é amar. Eu te amo. E sinto que você está confusa.
 - Eu o amo sim. Do que que você ta falando?
 - Você gosta dele, mas também gosta de mim. Sou seu melhor amigo.Ele chegava mais e mais perto, droga o que ele está falando? Sai Igor, sua proximidade me assusta.-Você tem medo de admitir o que sente mas eu sei Dri, que você tá dividida e se eu sou uma dessas opções não vou deixar de lutar.

Mais vento e um barulho estranho dessa vez mas não me importo de onde vem, ele coloca uma mecha do meu cabelo atrás da orelha e acaricia meu rosto. Ele se aproxima, mais, mais, mais... sinto a firmesa das suas mãos e um segundo depois dos seus lábios.  Um arrepio percorreu minha espinha e então percebi a idiotice que eu estava fazendo. Empurrei ele, mas ele segurava com força e sussurrava palavras de conforto.
-Não igor,  eu tenho namorado!  - comecei a chorar -
 - Não é isso que te incomoda.  É isso.  - ele levou a mão para meu coração e então me beijou de novo. Empurrava e resistia mas ainda assim me entregava.
Arrrgh que barulho insuportável! Mais forte.. droga o que é isso? Minha visão está embaçada, agora  preta. Acordo. Despertador! Minha cabeça está latejando pelas poucas horas de sono que tive e o meu coração está saindo pela boca. São 5.30 de uma quarta de manhã.  Ah não Droga! Volta sonho volta, não o beijo. As palavras. Não as pessoas,  o garoto. Apenas o sonho, apenas por ser distante, apenas a conversa. Quem era aquele menino? Não consigo me concentrar direito e a minha cabeça está me matando. Foi so um sonho.  Eles não significam nada, na minha vida nem garoto nem namorado, e agora nem sonho.Seja como for preciso voltar pra esse sonho ou qualquer outro. Preciso dormir,  foram só três horas. A realidade eu encaro depois,  agora e tudo que eu menos preciso, resta saber se posso fazer isso. Não não posso mas quero. Escrevo numa folha pra minha mãe me deixar dormir, 5 minutos depois ela le. Não me chama, não me chama, não me chama... imploro baixinho. Funcionou. É somente mais uma quarta feira. Vai ficar tudo bem - sussurro e volto a dormir-

By: Lia

4 comentários:

  1. Por favor, fala que tem uma continuação!!! :")

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente não, mas vou pensar com carinho no que você me propôs! Prometo ta? Obrigada :)
      Beijos,
      Lia

      Excluir
  2. Respostas
    1. Obrigada >3 , fico muito feliz que tenha gostado!

      Excluir